Todos os caminhos nos levam ao Elo Social

Em recente pesquisa realizada pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia (SEDUR) foi demonstrada que apenas 43 cidades baianas possuem aterro sanitário, o método de descarte de lixo que hoje, é considerado o mais adequado para todo o lixo descartado, atualmente chegando a mais de treze mil toneladas por dia.

A lei federal nº 12.305/2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) estabeleceu prazo para a substituição de lixões a céu aberto por aterros sanitários. Entretanto, essa realidade está longe de ser alcançada pois há uma dificuldade muito grande em cumprir tal determinação.

Uma das maiores dificuldades alegadas é a escassez de profissionais, uma vez que os municípios são carentes, principalmente nos setores do meio ambiente. Os municípios pequenos são os que possuem maior dificuldade em cumprir com o prazo estipulado. Gerenciar um aterro sanitário é algo caro e necessita de equipamentos, os quais as verbas municipais não conseguem suprir.

Foi revelada pela SEDUR que no estado da Bahia, há pelo menos 216 lixões. O número pode ser maior porque 105 municípios não responderam à pesquisa feita pela entidade. Apenas 43 cidades baianas têm aterros sanitários e 53 têm aterros controlados.

Em nível nacional, a Bahia tem o terceiro maior volume de municípios com lixões, estando à frente somente o estado do Tocantins e Goiás. Os quatro maiores municípios do estado (Salvador, Feira de Santana, Vitoria da Conquista e Camaçari) já possuem o aterro sanitário, todavia, considerando outras grandes cidades, Juazeiro, Itabuna e Ilhéus ainda não contam com os aterros.

As faltas de solução para o lixo acarretam em inúmeras consequências, principalmente para o meio ambiente que infelizmente não espera o futuro chegar, bem como para os próprios prefeitos, que se não se adequarem poderão responder civilmente, criminalmente, além de responder sanções administrativas.

Para o engenheiro sanitarista Victor Vidal “O principal investimento na minha concepção é investir em gestão, porque a partir desse investimento é possível mandar somente o rejeito para o aterro sanitário. O rejeito equivale de 10 a 15% de todo resíduo sólido gerado no ambiente urbano. O aterro sanitário é importante, ele é fundamental, e é para onde deve ir o rejeito. Todo outro resíduo sólido urbano gerado deve ser dado uma destinação mais correta, mais adequada, para que tenha um custo menor ao final do que propriamente o equipamento aterro sanitário”.

Nesse contexto, é exatamente nesse ponto que se constata a real necessidade de ser reconhecido o Lixo Zero Social 10. Como o próprio engenheiro, especialista no assunto, Victor Leal menciona, deve ser utilizado uma destinação mais adequada, e as implementações das CTT’s, usinas para incineração de animais, resíduos sólidos hospitalares, materiais industriais e as cooperativas para atendimento da população denominada Cooperiner, além do Elo Social são as melhores respostas para assolar todas as questões envolvidas no problema lixo, sejam eles quais forem.



13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo